quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Cromos da bola: Nicolau

Não há como ressuscitar os velhos clássicos... Este cromo será desconhecido para quase toda a gente, mas corresponde a uma figura presente no anedotário de qualquer bom adepto da Académica (mesmo daqueles que não guardam as notícias de jornal que saem sobre ela). Passo a explicar, Nicolau foi um ponta-de-lança guineense que passou pela Académica na década de 80, e que ficou conhecido por uma habilidade única: não ganhar uma única bola de cabeça, apesar da estampa física que a foto demonstra, pelo facto de nunca conseguir saltar sem encolher o próprio pescoço. No entanto, o seu maior feito, muito embora não o saiba, foi o facto de ter sido responsável pelo baptismo do meu primeiro cão, dada a evidente semelhança entre a tonalidade cromaticamente dissonante do guineense e a pelagem do bicho, o saudoso Nicolau...

PS: Rasztec, parto do pressuposto que nunca deixaste o Nicolau da bola à beira do KO como fizeste ao Nicolau cão...

4 comentários:

Razstec disse...

Digamos que o Nicolau da bola não teve o prazer de me conhecer, senão..... :p

Filipe Fernandes disse...

Ou a sorte, consoante a bebida que estivesse à tua mão no momento em questão...

Anónimo disse...

Está senhor na imagem tem mais de gente numa unha do que tu no corpo inteiro.aqui o cromo és tu não ele.Este senhor que tu falas foi profissional de futebol,jogou na primeira divisão...na academica que lhe ficou a dever dinheiro,se era tão mau como justificas o seu registo de golos?ele e um eldon eram sempre quem marcava os golos,era tao mau e jogava sempre?acima de tudo está senhor é uma joia de pessoa,um excelente ser humano,já tu não passas de um borra botas um ser merdoso

psilipe disse...

Cara senhoria anónima, não encontro no texto qualquer referência menos elogiosa ao Nicolau que justifique esta suposta defesa da honra que, penso, ninguém lhe encomendou. Quanto à sua presença no anedotário, ela existe. Ponto. Disse-se no texto que era mau jogador? Não. Ponto. Como não conheço as unhas do Nicolau, não posso comentar a sua primeira frase. Presumo que as conheça bem, pedindo-lhe que não esclareça de onde as conhece e em que parte do corpo já as encontrou, na premissa que tal já lhe possa ter acontecido. Quanto à última frase, saliente-se a verticalidade da senhoria anónima em, sem me conhecer, conseguir ser uma besta mal-educada. Estimo bem que enfie os insultos em local mais escuro que o próprio do Nicolau, deixando à escolha da senhoria anónima o orifício corporal que desejar. Penso que não merece mais do que isso, seja pela má educação, seja pela aparente iliteracia funcional, seja pela capacidade de ler aquilo que não existe naquilo que não está escrito. Camomila. Acho que é o chazinho que lhe fará falta. Recomendo. Será, contudo, a única recomendação que lhe faço. Se fosse como a senhoria anónima, recomendar-lhe-ia que fosse para o caralho, algo que não farei, estimando, com sinceridade, que vá vomitar disparates a outras paragens e não aqui neste blogue que, apesar de moribundo, preza pela presença de gente a sério. Como o Nicolau, pegando nas únicas coisas com interesse que se lêem no vómito internáutico que está acima. Olhe, aceite uma misericordiosa saudação.