sexta-feira, 27 de novembro de 2009

"Wait in the fire... Wait in the fire..."



Grace, Jeff Buckley

There's the moon asking to stay
Long enough for the clouds to fly me away
Well it's my time coming, i'm not afraid to die
My fading voice sings of love,
But she cries to the clicking of time
Of time

Wait in the fire

Wait in the fire

Wait in the fire...

And she weeps on my arm
Walking to the bright lights in sorrow
Oh drink a bit of wine we both might go tomorrow
Oh my love
And the rain is falling and i believe
My time has come
It reminds me of the pain
I might leave
Leave behind

Wait in the fire

Wait in the fire

Wait in the fire

Fire...

And I feel them drown my name
So easy to know and forget with this kiss
I'm not afraid to go but it goes so slow

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Devaneio (minimamente) consciente

Hoje não tenho nada em concreto para discorrer por aqui. Mas apetece-me deixar aqui qualquer coisa. Não que o dia não tenha sido cheio, à semelhança dos últimos tempos, diga-se. Houve emoções desalinhadas, houve cognições ameaçadoras, houve acções, comportamentos. Nem todas acertadas, nem todas adequadas e proporcionadas à situações. Houve negociações pseudo-políticas, houve congeminações alicerçadas no temor do fim de projectos consolidados, houve sorrisos e olhares cúmplices. Houve compreensão, houve amizade, houve espírito de grupo, mesmo havendo lacunas na solidez das muralhas construídas. Houve preocupação com o outro, houve capacidade de ver além do simples comportamento expresso e aparente. Houve receio do dia seguinte. Houve medo da espera. Houve medo do presente e do futuro. Houve medo da responsabilidade e da culpa. Também houve corropio, canetas atiradas de janelas por petizes adolescentes em direcção a transeuntes inocentes, risos incontroláveis e inexplicáveis de pessoas de quem começamos a gostar muito, esperança e confiança em tudo o que está para vir, até no dia de amanhã. E no outro... E no seguinte... E, se calhar, em todos os outros que se seguirão. No fundo, porventura, confiança em todas (mesmo todas!) as pessoas que são peças do nosso puzzle, hoje. São essas que tornam menos ameaçadora o eventual surgimento de outras peças descoloridas, sejam elas quais forem... São elas que, no fundo, nos ajudam a "alavancar" o dia de amanhã. Até amanhã.

Uma sugestão de Natal

Nos tempos de hoje, em que o Natal perdeu muito do seu verdadeiro sentido, deixo uma sugestão de um site que, com pouco esforço e dinheiro, nos permite que sejamos verdadeiramente natalícios...

Kiva - Loans that change lives

É muito, muito interessante, constituindo uma óptima iniciativa de inovação social ancorada na Internet.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Waiting room

psilipe ou o desespero de ter a vida transformada numa sala de espera...


Tolice popular...

Manifesto, regularmente, um grande apreço pela sabedoria popular. Há provérbios, expressões coloquiais e dizeres que passam de geração para geração e que encerram, numa aparente e enganadora simplicidade, significados e sentidos muito poderosos e acertados... No entanto, garanto que a cena do "longe da vista, longe do coração" é treta! E das grandes...

GPS interior

É impressionante o quanto as pessoas se perdem em si mesmas e o quanto perdem nesse processo... Como daria jeito um GPS interior que as guiasse. Mas será que todas o aceitariam, de forma descomplexada? Ou será que muitas não optariam pela ostentação de um sorriso acrítico no seu glorioso caminho para o precipício?

sábado, 21 de novembro de 2009

Barómetro GV

Segundo o último Barómetro GV, que analisa o grau de evolução dos estados com base na tipologia das pessoas que procuram corromper as suas altas individualidades, Portugal está num dos últimos lugares. O facto de um sucateiro conseguir colocar o país à beira de um ataque de nervos em muito contribuiu para tal classificação.

Diálogos socráticos I

Será que ainda há primos do nosso Primeiro que não estejam, ou que não tenham estado, envolvidos em processos que envolvam a palavra "corrupção"?...

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

As time goes by...

Apercebi-me hoje que o Monopólio, jogo que marca o meu imaginário infantil, sofreu algumas alterações que são, para mim, autênticas mutações genéticas... Não é que, na versão que vi hoje:

- os petizes utilizam cartões de crédito no lugar daquelas notas fantásticas de cores variadas (em que os cinco contos eram um marco, com a sua cor bordeaux);

- os cartões são colocados num aparelho que os lê automaticamente, substituindo o banco;

- a propriedade mais cara custa quatro milhões de euros substituindo o Rossio, última casa antes da casa de partida, que representava um investimento de quatro contos de reis.

E percebi que a inflacção do valor das propriedades é, quase, quase, directamente proporcional ao tempo que decorreu desde os tempos em que as minhas tardes eram passadas a comprar a Rua do Carmo, a Estação de Campanhã e consultar a minha "sorte" numa pilha de cartõezinhos. E senti-me velho...

The king is back!

Os leitores mais atentos das GV lembrar-se-ão da saga das gaffes de psilipe, clássico blogosférico de incomensurável importância. O bom senso, e a vergonha decorrente da exposição pública de tais calinadas, deveria ter impelido o seu autor a um maior cuidado na forma como se relaciona com os demais... Mas, atendendo a que a personagem em questão é fraquinha, não foi isso que aconteceu. E, assim sendo, aqui fica mais uma exibição tragicómica de psilipe...

Psilipe realiza uma apresentação num local em que se encontra o Sr. Bispo de Angra e dos Açores... Psilipe expõe os seus pontos de vista, quando o senhor arrasta uma mesa, inadvertidamente, causando algum barulho...

Sr. Bispo - Desculpe...
Psilipe - Não se preocupe, está perdoado!...
Psilipe (em pensamento) - Acabaste de dizer que perdoaste um dos emissários terrenos de Nosso Senhor que, por sua vez, tem o monopólio do "Perdão"...

Sim... O Reino dos Céus está mais longe.

...

domingo, 15 de novembro de 2009

Conclusão do dia...

Há, efectivamente, momentos em que mais vale caír em graça do que ser engraçado... E a grande C* faz-nos sentir isso muito, mesmo muito. E tem razão.

* Há leitores frequentes que perceberão a ideia.

Vamos fazer um jogo...

Atendendo a que o André Villas Boas permaneceu na Académica e que o Carlos Carvalhal será o próximo treinador do Sporting, é impressão minha ou saíu cócó ao Sporting e não à Académica?...

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Quero o meu fim-de-semana de volta...

E faltam 1, 2, 3, 4, 5 dias* para o próximo fim-de-semana. Porra!

* Alguns dos quais estão para o interessante como o Jorge Jesus para o bom gosto capilar.