segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Sim, os nossos rebentos também adoecem...

Quando as coisas das quais gostamos, que damos como adquiridas, onde nos projectamos apresentam enfermidades, chegamos ao território da ansiedade, do receio pelo futuro mais próximo e do temor da perda.

O nosso rebento mais recente, nos últimos dias, começou a apresentar uns sintomas estranhos que nos preocuparam, especialmente porque, há uma semanas, já tinha estado uma semana de molho a recuperar de um problema na coluna*. Uns estalidos quando mudava de direcção, um mal-estar em movimentos que, anteriormente, fazia sem problema nenhum e aí vai um progenitor aflito para junto dos especialistas que dominam as formas de recuperação destas maleitas. É uma sensação estranha quando nos separamos para que possam realizar um primeiro diagnóstico, enquanto assinamos o papel na recepção. O que poderá acontecer? Um problema sério que leve a mais um período de inactividade? Uma questão simples que apenas precise de um "aperto"?

Passavam os segundos e nada... A ansiedade acumulava-se, enquanto os especialistas passavam e outras pessoas, preocupadas como eu, caminhavam em círculo ostentando um ar carregado e preocupado, em simultâneo à chegada de novas pessoas com problemas para resolver, debitando queixas e dados pessoais na recepção.

Quinze minutos, meia hora... Finalmente, novidades! O MiTo está bom, outra vez. Bastou um aperto num tensor da coluna de direcção... Que alívio!



* Da direcção...

2 comentários:

Deka disse...

Ufa, que alívio!

psilipe disse...

Brincadeirinha... :)