segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Padeço...

... de uma overdose de Paulo Futre.

6 comentários:

Sarabia disse...

Uma overdose de Paulo Futre não me diz nada. Já a qualidade do seu espaço me diz e muito.
Gostava de o congratular após ter ter suscitado este seu canto a quem quisesse partilhá-lo.
Tenho orgulho em que sejamos da mesma causa: a Académica!
Espero que na sua tremenda racionalidade entenda que não há fundamento maior e melhor para nada do que aquilo a que os tímidos chamam afecto e ao que aqueles que não temem o que sentem chamam amor.
É o nosso dado incondicional. Espero que também assim o entenda caro (Filipe Fernandes será?).

Um abraço.

Miguel Saraiva

ou em código académico

Briosa para sempre

Sarabia

Sarabia disse...

"José deixa uma flor no metro todos os dias em nome do amor".
Incondicional este José.

Confesso que vim aqui visitá-lo na esperança de encontrar algo em que desse conta da minha vinda.
Mas não importa...

Tão incondicional quanto fundamental serão as suas princesas Célia e Mariana...com acrescento da salvadora gata.

Não sei que terá dito o homem do Montijo acerca do amor..., mas fico-me na beleza extrema da simplicidade, da humildade e da bondade (aonde cabem a generosidade e a caridade).

Caro Filipe Fernandes (será?): só queria mesmo agradecer o facto de ter sugerido o seu canto...em sendo a terra redonda tem os seus cantos enormes...assim como manifestar admiração.

Os meus sinceros parabéns.

Miguel Saraiva

ou em código académico

Briosa para sempre

Sarabia

psilipe disse...

Caro Sarabia, antes de mais agradeço a sua visita à minha sala de estar na Internet!

A ausência de resposta pronta deve-se, fundamentalmente, à dificuldade no bulício de um quotidiano complicado arranjar o tempo necessário a uma resposta condigna.

Pegando nas suas palavras, a Académica é, realmente, uma causa. É mais o que uma simples colectividade (como diria Manuel Machado) e, por muito que doa a muitos, é algo de único. Sou daqueles que gostam da Académica a digladiar-se com os grandes, mas que, no dia em que estivermos nos Distritais, estará a acompanhar com o mesmo fervor. Há coisas que não se escolhem e que se amam. Ponto. O que, num mundo minado pelo calculismo, é raro. E faz muita confusão, e "espécie", a muitos e muitas que prolongam para o futebol vidas em que o afecto, o amor incondicional, o sofrimento por algo e a resistência à frustração nem sempre existem.

Acrescento que lhe agradeço as suas palavras, escritas por alguém que possui uma voz que admiro na blogosfera académica (que acompanho diariamente), pela sua clarividência e correcção, devidamente pontuada por alguns pozinhos de irracionalidade!

Apareça sempre que quiser, para qualquer troca de ideias...

Cumprimentos,

FF aka psilipe aka Filipe Fernandes

psilipe disse...

Ah!

E na Final da Taça lá estamos, ok?

Um abraço.

Sarabia disse...

Claro que sim caro Filipe.
Lá estaremos na final da Taça...esperemos, já faltou muito mais.
Quiçá esta troca de galhardetes, feitos os devidos apreços, possa ser feita em repasto na Terceira se o amigo ainda aí estiver. É que neste ano de 2012 (mais lá para diante) terei de ir à Terceira em trabalho, mas sempre hei-de arranjar tempo para um almoço, lanche ou jantar...e não sendo certo talvez possa apresentar-lhe a minha princesa de sua graça Teresa.

Obrigado pelas suas palavras.

Um abraço

Sarabia

psilipe disse...

Caro Sarabia,

saudações renovadas...

Depois das notícias de hoje, e da ausência de outras, temo que a final da Taça tenha ficado mais distante... Mas mantenho a esperança, apesar de sentir que armadilhamos o nosso próprio caminho.

Na Terceira, a minha segunda casa, costuma-se fazer bons repastos, pelo que fica essa possibilidade em aberto.

Um abraço,

psilipe