sábado, 10 de março de 2012

Não há como ter mais uma mãozinha para ajudar...

Acabei de ver a Académica a empatar com o Porto. Acabei de ver uma das exibições que mais me orgulhou da Académica nos últimos tempos. Equipa personalizada, guerreira, competente que vulgarizou uma equipa com um orçamento estratosférico, nos quarenta e cinco minutos da primeira parte. Bem sei que, neste ano, já ganhámos com três secos aos mesmos milionários de azul e branco, mas este era um jogo diferente, nomeadamente pela sequência de jogos das duas equipas.

Porto moralizado, qual ego inchado de narcisismo, cuja overdose de moral soçobrou nos calcanhares do empenho, humildade e capacidade coimbrã.

Leio no Público que, no lance que ditou o empate, "Pape Sow fez mão". Leio e irrito-me. Leio, irrito-me e relembro os manuais de anatomia que referem que as pessoas não podem destacar os braços do seu corpo. Leio, irrito-me e relembro noções básicas de motricidade que referem que para saltar há que movimentar os braços. Pape Sow não fez mão. A bola bate na mão de Pape Sow.


FC Porto 1-1 Academica por simaotvgolo12

Sim, corta uma eventual jogada de perigo. Mas há intencionalidade? Quem disser que sim é, no mínimo, desonesto. Ah... e será que o lance seria marcado na área contrária?... Fica a questão, bem como fica a revolta pela forma plástica como são definidos e decididos os lances de bola na mão nas áreas, pela sua mutação oportunista, nomeadamente em jogos que se prolongam, quase, até ao infinito, até ao limite da vergonha. Fica, também, a revolta pela forma como o melhor jogador em campo é castigado no epílogo do jogo. Sim, o melhor em campo não foi um milionário narcísico, mas um trabalhador incansável. Raios, não só estragam um jogo, como impedem mais uma daquelas metáforas que tornam a vivência do futebol tão extraordinária. Como se não bastasse...

O empate é mais do que justo, cada equipa vulgarizou a outra em cada uma das partes. Ouvir Vitor Pereira, no flash-interview, referir-se a questões de arbitragem é ridículo e delirante e constitui mais uma prova que o ego, ou os seus desequilíbrios, de tal "mister" nunca lhe permitirá aceder e manter grandes "cadeiras de sonho".

O jogo, pela emoção, imprevisibilidade, qualidade a espaços que patenteou, não merecia que o golpeassem desta maneira. O futebol pela sua beleza não merecia isto. Como é difícil gostar de futebol nestas alturas, como é irritante. Como é possível que não percebam que, como diria Jorge Jesus, o futebol é, mesmo, muità lindo.

4 comentários:

Miguel disse...

Lições de anatomia e aulas de motricidade são claramente enviesadas por uma percepção errada da realidade, iremos sempre discordar mas é inegável que os lances ocorridos na grande área. 1- sobre o Hulk grande penalidade não assinalada, 2- James Rodrigues finge a falta, e é merecido o cartão amarelo, e o 3- é claramente mão... você não vê porque não quer ver...

psilipe disse...

Caro Miguel, para que perceba que não estou enviesado coloquei o vídeo do lance. Penso que só o deve ter visto uma vez... O penalti sobre o Hulk é mais do que discutível. Sobre o James, concordamos, naturalmente. O lance do Habib é bola na mão, como se vê no vídeo. Perceba que a minha questão não é contra o Porto, mas contra um critério plástico e oportunista que, reconheça-se, ninguém entende. Ah, e um cartão vermelho a Álvaro Pereira no último minuto. E os oito minutos de desconto, a caminho dos nove? Mas, atenção, o empate é justo e a haver um vencedor seria o Porto. Mas, nunca, desta maneira. Muitos falam em criar uma liga fechada mas, por favor, que tenha mais que três clubes...

Anónimo disse...

A sua anatomia e motricidade impedem-no de ver o que o comum dos mortais vê com naturalidade. A oftalmologia é, também, uma especialidade capaz de melhorar a sua anatomia e motricidade...

psilipe disse...

Caro Anónimo, a minha anatomia e motricidade recomendam-se. Quanto à oftalmologia, nada que um bom par de lentes, que uso diariamente, não corrija, permitindo uma visão a 120%. Deixo-lhe um vídeo:

http://www.zerozero.pt/video.php?id=92355

Explico-lhe... Académica - Porto do ano passado. Veja como os critérios de mão na bola, já na altura, eram plásticos.

Perceba que nada me move contra o Porto. Perceba que não insinuo uma conspiração contra a Académica. Perceba que a minha questão passa pela ausência de um critério definido com as bolas na mão, bem como pela existência, evidente, de uma tendência de compensação das grandes equipas, fruto de um país desportivamente imaturo e fraco. Fruto de uma opinião pública, estupidamente, tripartida.

Se quiser enviesar e defender que o penalty foi bem marcado. Faça-o. Mas mantenha o critério no dia em que o seu clube sofra um penalty semelhante ou em que reconheça quando algo do género não seja marcado a seu favor.

Caso não o faça, é um sinal claro que está a projectar em mim todo o seu facciosismo e parcialidade. Típico.