terça-feira, 24 de julho de 2012

As aventuras do menino Duarte Marques

Como no GV se entende a prontidão como um certo relativismo, determinado pelo grau de clarividência do escriba ao serão após os seus dias de proletário da nobre arte da alquimia da alma, volto, passado uma quantidade jeitosa de tempo, a um post que surgiu por aqui há uns tempos.

No mesmo, que foi denominado As explicações do menino Duarte Marques, abordava-se a forma como o emérito líder da JSD (cujo site, ao bom estilo norte-coreano, acentua tal querido estatuto) se esforçou por lavar a cara ao Miguel Relvas, após a polémica da sua licenciatura bolonheso-Farinha Amparo em Ciência Política, ou uma coisa qualquer parecida que exista na Lusófona. No mesmo, discorria-se sobre o desespero que marcava o partido de Sá Carneiro quando a figura que surge, naturalmente escolhida para fazer a defesa pública de Relvas é Duarte Marques.

Percorrer o currículo de Duarte Marques significa uma viagem instantânea, interminável e dolorosa à política nacional e ao pior que a mesma representa. A sucessão das expressões “assessor”, “coordenador”, “chefe de gabinete”, “presidente” ou “conselheiro” assusta e, com toda a certeza democrática, obriga-nos a fazer uma vénia à dimensão intelectual, técnica e profissional de alguém que, pelos vistos, nunca trabalhou em nada que não esteja ligado à política e ao partido, essa entidade transcendental e dogmática, qual estrela polar...

Duarte Marques é um jota, jotinha para os amigos, um boy para aqueles que apreciam estrangeirismos. Para mim é um menino que, pelo facto de o ser e de beneficiar de um tempo de antena proporcional ao seu potencial caciquista, se arroga do estatuto de arauto da juventude. Não o é. Nunca o será. A bolha em que reside, o ar climatizado a que se habituou impedem-no.

Ser jovem não é, definitivamente, ser Duarte Marques ou outros que tais.

 De Mação para Bruxelas, para a Assembleia da República, para o mundo, para um qualquer Conselho de Administração de uma qualquer empresa que influencie uma qualquer área fulcral da vida em sociedade deste país… convosco, Duarte Marques.

.

Sem comentários: