domingo, 15 de julho de 2012

Um regresso a um lugar esquecido: Pavilhão de Cirurgia do Caramulo

Em Abril do ano passado, na última vez que houve férias de jeito por estes lados, contactei com a realidade e história da Estância Sanatorial do Caramulo, fundada em 1920, e que, durante mais de quatro décadas, ocupou um lugar de relevo no contexto do tratamento da tuberculose, bem como na realidade política e social do nosso país, constituindo-se como a maior estância sanatorial da Península Ibérica.

A decadência actual das mega-estruturas, alguns aspectos da história do Caramulo e das suas personagens e as teias intrincadas entre o Caramulo e a realidade sócio-política do Estado Novo mereceram, e têm merecido, muita atenção da minha parte. Para analisar os posts relativos a este tema bastará pesquisar com a palavra "caramulo" no canto superior esquerdo aqui do sítio.

O Pavilhão de Cirurgia já tinha sido abordado aqui, num post anterior. As fotos abaixo retratam uma segunda visita, onde foi possível entrar do edificio em ruínas, num estado semelhante à memória histórica do Caramulo, e da sua Estância Sanatorial.


Elevador principal.



Um utensílio para os doentes num dos quartos do primeiro andar.



Varanda do primeiro andar.




Corredor do primeiro andar.


Sala de Raio-X.








Pormenor do quadro eléctrico com referência ao monta-macas.



Sala de operações .


Porta para a zona da sala de operações.


Móvel na sala adjacente à sala de operações com pequenas gazes enroladas.


Pequena sala (cozinha/sala de esterilização?) nas traseiras da sala de operações.


Antecâmara da sala de operações com vidro que permitia observar os procedimentos cirúrgicos.


Sala de recobro com marquesa articulada.


Aparelho de microradriografia.



Cama de repouso no jardim.

Cama articulada num dos quartos.

 Pormenor de um dos quartos.


Botão de chamada do monta-macas.


Botão de chamada do elevador principal.


Pormenor da lateral do edifício. Tudo se vende.




Fachada principal.


2 comentários:

Carlos Ribeiro disse...

PARABÉNS pelas fotos. Com este registo fotográfico recordei um período da minha vida que passei no Pavilhão de Cirurgia em 1974 (Jul a Out). Recordo cada foto como se fosse hoje e as pessoas também (Dr. Trajano Pinheiro, enfermeira Barbara, enfermeiros Durão e Fernando e a anestesista). Tenho o Caramulo no meu coração. OBRIGADO
CRibeiro

psilipe disse...

Caríssimo Carlos Ribeiro, agradecido pelos elogios às fotos.

Como curioso interessado na história do Caramulo, e na sua Estância Sanatorial, fiquei curioso sobre a sua estada. Profissional? Paciente?

Muito lhe agradecia se me desse a possibilidade de trocar algumas ideias sobre aquilo que era a vivência do Caramulo na década de 70.

Caso entenda que tal não constitui um abuso, deixo o meu endereço e-mail: psilipe@gmail.com.

Aceite os meus cumprimentos.