segunda-feira, 10 de setembro de 2012

O segundo baptismo de psilipe

O dia de ontem ficou marcado por um segundo baptismo na vida de psilipe. Tal não quer dizer que psilipe tenha sido submergido, novamente, na pia baptismal, num regresso às hostes da cristandade, o que, a ser verdade, deixaria a sua progenitora (ainda não refeita da forma como, há perto de duas décadas, rejeitou a catequese) em total êxtase*. Simplesmente significa que, em muito boa companhia, repetiu pela terceira vez o baptismo de mergulho num local fantástico, onde já havia mergulhado: o local do naufrágio do Lidador.




O local está cheio de história e merece uma visita, como fica comprovado pelas imagens abaixo...




Fotos retiradas daqui, com a devida vénia.

Sendo a segunda vez que mergulhava no local, e podendo beneficiar de uma maior autonomia na gestão do mergulho, foi possível apreciar, ainda mais, o carácter terapêutico do mergulho, enquanto actividade que nos ensina/obriga a perceber que há coisas que têm o seu tempo, que há coisas que temos que aceitar que não controlamos e que é possível construir uma noção do tempo muito diferente daquela que os nossos ditames interiores parecem determinar. A repetir...

Seguir-se-á, o quanto antes, o curso de mergulho, assim que psilipe consiga convencer a sua cara-metade a acompanhá-lo...

* O que leva a que sempre que, por automatismo impensado, a expressão "graças a Deus" sai da boca de psilipe a sua progenitora diga, algo como, "estás a ver, meu filho... se não acreditasses não dirias isso..."

2 comentários:

Guilhim disse...

Vivesse eu aí (e o que eu queria viver por aí...) e não me tiravam de dentro de água!

Faz lá o curso!

psilipe disse...

Mergulhar é, realmente, uma coisa do catano...