sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Aculturação terceirense - III

Coimbra tem uma artéria de trânsito importante chamada Avenida Fernão de Magalhães. A rota para o centro da cidade, quer para a Baixa, quer para a Alta, implica passar por ela, nomeadamente para quem provém da zona onde mora a mãe de psilipe. Tem três faixas e prolonga-se da entrada da cidade até às imediações do Rio Mondego. Sempre foi percorrida por psilipe com uma assinalável habilidade automobilística, por vezes injustificada face à relativa pacatez do tráfego, mesmo em alturas de maior congestionamento.

Nestas férias, a Fernão de Magalhães assemelhou-se, para psilipe, a uma agitada artéria de uma qualquer metrópole mundial.

psilipe ainda colocou, durante uns segundos, a hipótese de uma estranha sucessão de ângulos mortos, resultado de um qualquer inusitado alinhamento cósmico, lhe estar a pregar uma partida.

psilipe, após alguns segundos, concluiu que a circulação pelas ruas terceirenses, com o expoente máximo do congestionamento na Ladeira de São Francisco, começa a deixar marcas e, isso sim, a colocar os seus reflexos automobilísticos num estranho ângulo morto. psilipe não se chateou com isso.

Até porque, se o fizesse, provavelmente teria feito estragos no bólide da sua progenitora, com a rapidez de um relâmpago.

Sem comentários: