segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Alguns pormenores do Caramulo

Casa de Nossa Senhora da Saudade (que penso ter sido usada como unidade de tratamento para a tuberculose) que fica muito perto da Casa de Saúde do Parque).



Placa da Avenida Abel de Lacerda.



Fachada do Sanatório Jerónimo Lacerda (também conhecido por Grande Sanatório após a designação Estância Climatérica do Caramulo).



Pormenores do Sanatório da Bela Vista.




1 comentário:

Helford disse...

Em tempos, havia diversos lugares, espalhados por Portugal, por vezes em locais insuspeitos, destinados ao tratamento da tuberculose, mas cujos donos ou proprietários optavam por não deixar isso demasiado explícito. As razões não serão difíceis de perceber... Alguns desses nomes aparentemente inócuos eram: "Casa de Saúde de...", "Casa de Repouso de..." ou simplesmente "Pensão de...". Geralmente eram espaços relativamente afastados (ainda que não muito) dos centros de cura propriamente ditos. Em alguns, viviam-se situações com qualquer coisa de irónico, paradoxal, para não dizer bizarro. Recentemente li a história de uma pensão, localizada num sítio afastado de um centro urbano (não sei qual), onde era "proibida" a entrada a doentes tuberculosos. No entanto, os hóspedes que se deslocavam a esse local iam precisamente por causa de estarem de alguma forma, afetados por essa doença! Melhor dizendo, a doença não estaria num estádio demasiado avançado ou estes hóspedes tinham acabado de saír de um sanatório e queriam completar a cura com mais uma temporada de repouso adicional. Chegava-se a dizer que era "suspeito", para não dizer "proibido", tossir com frequência. Quem não respeitasse esta regra, correria o risco de ser "convidado a saír"... Por outras palavras: podia-se estar com tuberculose, desde que não o mostrasse e desde que ninguém suspeitasse! Para que se pudesse dizer ao público em geral que "ali não entravam tuberculosos", talvez para não afastar um certo tipo de clientela... Dado que a clientela, que ali não faltava, era quase só constituída por gente "tocada" pela dita-cuja... Está-se a ver a COISA!!! Não seria, decerto, um caso único... Dá que pensar...