domingo, 27 de abril de 2014

E assim se inicia um hiato...


O que se aprendeu, hoje, com a Mariana... - XLIX

Que, quando queremos falar de rugas nas pessoas mais experientes, é bem giro falar de "riscos no corpo".

Mariana: "Vovó Dedé*: tu não és velhinha! Não tens riscos no corpo..."

* Senhora que deu à luz este vosso escriba.

sábado, 26 de abril de 2014

Lugares esquecidos: Central Hidroeléctrica da Companhia do Papel do Prado (Casal do Ermio)

Depois de uma troca de ideias com o Mikos, que muito ajudou com algumas orientações, fizemos uma visita à Central Hidroeléctrica da Companhia do Papel do Prado, em Casal do Ermio, aldeia do concelho da Lousã, na margem esquerda do Rio Ceira, afluente do Mondego.

A Central permitia produzir energia hidroeléctrica para a fábrica da Companhia de Papel do Prado, possuindo as seguintes características: "pequena barragem em alvenaria, com cerca de 27 m de comprimento e 1,5 m de altura acima das fundações, com as coordenadas M=191440,27 m e P=354179,03 m (sistema Hayford- Gauss Militar), com a tomada de água à cota de 85 m; canal de derivação localizado na margem esquerda do rio Ceira, em alvenaria de pedra, de secção rectangular e superfície livre, com 1380 m de comprimento, destinado a derivar o caudal de 7,25 m³ para a câmara de carga; câmara de carga localizada no final do canal de derivação e à entrada da central, com um descarregador de superfície e com comportas de accionamento manual de alimentação dos grupos turbina/gerador da central hidroeléctrica; central hidroeléctrica implantada na margem esquerda do rio Ceira, com as coordenadas M=190560,20 m e P=353917,89 m (sistema Hayford -Gauss Militar), onde se encontram instalados os dois grupos turbina/gerador com a potência total de 500 kVA, com restituição no rio Ceira à cota de 75 m" (in Diário da República, 2.ª série — N.º 88 — 6 de Maio de 2010).

Está desactivada há vários anos, constituindo mais um exemplo de património esquecido e abandonado, cujas histórias estão por contar. Uma pena.
























domingo, 20 de abril de 2014

Parece que...


Está um monte de gente de vermelho a festejar na televisão.

Penso que, com tudo isto, a Académica já não pode ser campeã este ano.

 É favor reservar a Praça da República, a Câmara Municipal e o Papa para o ano.

Nas férias...

... importa quebrar a rotina, enveredar por caminhos menos convencionais e quebrar com a previsibilidade do quotidiano.

Hoje comemos sushi, sem publicar qualquer foto no Facebook ou no Instagram.

Objectivo conseguido!

domingo, 6 de abril de 2014

O que se aprendeu, hoje, com a Mariana... - XLVIII

Que há coisas que nos fazem rir. Rir muito.

Que a imaginação não tem limites.

Que a princesa, com a sua imaginação sem limites, tem o extraordinário poder de nos fazer sorrir muito, todos os dias.

Almoço em família com o H.. Enquanto se comia, conversava-se e eis que a Princesa inicia uma contagem...

Mariana - "5...4...3...2...1... Descolagem!"

Pai de Mariana - "Descolagem de quê?"

Mariana - "De um foguetão!"

Pai de Mariana - "E para onde vai esse foguetão?"

Mariana - "Para uma terra onde as pessoas usam todas camisolas da Académica!"

Pai de Mariana - "E como é que se chama essa terra?"

Mariana - "Angra dos Pretos!"

Em Angra dos Pretos (das camisolas pretas) tudo faz sentido.