Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2009

Areia a mais para a camioneta...

Imagem
Quando percepcionamos uma clara disparidade entre a quantidade de areia a transportar e a dimensão do nosso meio de transporte interior, o que fazer? Fazer tudo para diminuir a areia a transportar, ou seja evitar defensivamente, ou reforçar a camioneta, ou seja atacar a fera?...



Santa Casa da Misericórdia da Académica

Após o jogo de hoje, proponho uma mudança de designação e de ramo de actividade para a Académica. Analisando variadíssimos exemplos, não é difícil constatar que qualquer jogador que não marque golos há mais de 3000000 minutos, ou qualquer equipa que não ganhe desde a I República, deve apenas deslocar-se a Coimbra, ou abrir as portas do seu estádio, para jogar com a Académica. Tão simples, e/ou deprimente, quanto isto.

E saem uma dúzia de cabelos brancos para um jovem psicólogo terceirense!

Colocar, ao preencher um formulário, e pela primeira vez, o nosso nome a seguir à expressão "Nome do pai:" é das experiências mais descolhoantes*que podem existir. Garanto-vos.

* A gerência pede perdão às mentes mais sensíveis mas, sinceramente, não há expressão que traduza melhor aquilo que senti.

Silly season, colheita de 2009, by RTP Açores

Nos últimos tempos tenho constatado que as eminências que criaram a expressão "silly season" tinham, concerteza, acesso aos noticiários de Verão da RTP Açores.

Catarse #3

John Lee Hooker

The Champiooooons!!!! *

Sim, é certo que a Académica foi a única a perder na primeira jornada da Liga. Sim, é certo que não estamos, naturalmente, bem classificados. Mas, bem vistas as coisas, estamos só a um ponto da pré-eliminatória da Liga dos Campeões, ou como dirá um dia Jorge Jesus, da Champignons.

* Tentativa de exprimir um excerto do hino da Liga dos Campeões.

A futura guardiã da Mariana

Imagem

Whale watching ou como observar golfinhos anafados à beira do Monte Brasil

Imagem
A observação de cetáceos nos Açores é, desde a década de noventa, uma instituição nos Açores correspondendo a uma interessante mutação sócio-económica, após a proibição da caça à baleia, no final da década de oitenta. Efectivamente, a caça à baleia, que independentemente da justeza do argumentário ecologista, era uma actividade absolutamente apaixonante em que o homem sublimava pelo arpão a sua insignificância face à grandeza da sua progenitora Natureza, foi susbstituída por uma caça aos avistamentos de cetáceos.

Na Terceira, tal actividade não é tão pujante como no Faial ou Pico, catedrais baleeiras nos Açores, mas isso não impediu que procurássemos capturar um ou outro avistamento de cetáceos nas proximidades de Angra. E, posso garantir, que passei a pertencer ao grupo das pessoas que já caçaram um avistamento... É que os pontinhos pretos da primeira foto são aparições de baleias de bico. Bem sei, que, no fundo, se assemelham a golfinhos anafados, mas são mesmo baleias! O que tem a s…

As nossas aventuras com o tripé - Praia da Vitória '09

Imagem

Prós e contras de viver na Terceira # 5

Esta senhora tirou-me um dos contras da boca. Várias vezes, por sinal.

O Messias da bola ou a aventura do Richard Gere português no Benfica

Imagem
Muito se tem escrito sobre as pérolas do linguajar de Jorge Jesus (unanimente considerado o Richard Gere português). Como não sou ninguém para falar de gaffes, nem uma, nem duas, nem três vezes, não realizarei o obrigatório post, qual refeição micro-ondas do humor, sobre os tiros ao lado do Messias benfiquista*... Farei sim, e num exclusivo das Geometrias, uma antevisão da futura gaffe de Jesus... E o meu palpite é:

"Comigo o Benfica vai ganhar a Champignons League!..."

* E, meus amigos, haveria muito para falar. Desde os célebres "coletes efervescentes", ao "processo de neutralização" de um jogador brasileiro, aos "assuntos do forno interno do clube", às "inalações" que eram possíveis extraír de um determinado jogo ou à altura em que JJ se sentia "um álvaro a abater". Pronto... mais uma: durante um jogo JJ verbalizou o seguinte incentivo "vaiam à bola! Subem!".

A interactividade chega às Geometrias # 2

Dando seguimento à multiplicidade de participações no Passatempo "Quero ser eu a dar o nome ao feijão", as Geometrias Variáveis abrem um novo espaço de interactividade. Sim, amiguinha e/ou amiguinho, podes participar!... Mais uma vez, este espaço é baseado numa publicação fundamental designada "A chave da felicidade e a saúde mental"*, datado do ano de 1981.

O esquema de participação é simples! Bastará que digam um número de 1 a 398 e, com um grau decente de certeza, será possível encontrar uma lição de vida para cada um de vós. Nada será como dantes.

Como aperitivo, e como demonstração inequívoca do potencial de mudança humana contida na obra, aqui fica um pouco do seu prefácio:

"O autor desta obra, pensador profundo e verdadeiro filósofo prático e construtivo, possuidor da experiência de uma vida proveitosa vivida, longos anos de paciente investigação e um frutífero estudo no laboratório vivo da natureza, demonstra a maneira de lançar mão dos numerosos recursos…

Quem feio ama, bonito lhe parece... Ou não.

Imagem
Numa sociedade cada vez mais fútil e desprovida de valores, a mim ninguém me tira da ideia que a razão que levou Manuela Ferreira Leite a não incluir Pedro Passos Coelho nas listas do PSD às próximas legislativas, é o facto de, à medida que vai envelhecendo, PPCoelho estar cada vez mais parecido com Manuel Monteiro... Fisicamente, claro.

Catarse # 2 *

* Bom para as dores de cabeça que emergem nos momentos esquisitos.

Catarse # 1 *

Nina Simone* Porque há músicas que nos ajudam a sublimar momentos esquisitos.